Homens-pássaros

Eu, como falcão, a observar a terra dos homens-terra, livre de todo o mal causado pelos disseminadores do caos. Como são pequenos os problemas vistos cá do alto. Como e por tantas vidas pudemos dar tanta importância às coisas pequenas e rastejantes. Nesses anos de aprendizado, da luta pra conseguir minhas asas, vi que se dermos importância demais a algum problema este pode nos devorar, nos tornar ínfimas criaturas. Sendo assim tratei logo de torná-los pequenos, para assim eu ser o senhor e destruir-lhes — ao invés do contrário.
Daqui do alto tudo se torna tão simples, tão fácil de ser compreendido. Embora ainda seja complexo poder pensar como tantos podem rastejar e não fazer nada para sair de tal estado. Eles não vêem que vôo? Nem ao menos percebem o projetar de minha sombra? A lama deve atrapalhar a visão deles... Mas não posso ser tão fatalista assim — muitos me percebem e assim sendo se torna útil meu legado de homem-pássaro. Mesmo que muitos dos que enxergam queiram cortar minhas asas. Mas muitos se encantam e já começam a perceberem suas costas as atrofiadas asas. Enquanto isso fico aqui a esperar o despertar. Enquanto isso fico a observar os porcos na lama, as ovelhas seguido para não sei onde e o gado rumando para o abatedouro. Mas me consola um pouco saber que tudo tem sua importância no grande tabuleiro cósmico de peças negras e brancas. Mas me consola mais ainda saber que tudo é transformação constante e que é incessante o girar da roda da vida.
Eis que o Deus-falcão anuncia a nova aurora e com seu grito tenta despertar os homens-terra para a realidade dos homens-pássaros. E já não são poucos os que realizam a proeza do vôo. Mesmo sabendo que muitos querem ir muito mais longe do que suas novas asas suportam e acabam se lançando mais profundamente no solo da ignorância. Mesmo sabendo que muitos terão as asas cortadas e se deixarão pó fraqueza serem condicionados à natureza de ruminantes. Mesmo sabendo que muitos por precipitação acabarão abatidos ou encarcerados. As asas exigem antes de tudo responsabilidades, exigem prudência, força e coragem. Não basta querê-las, não basta ter-las, não basta utilizá-las. Tem que se ter o espírito de pássaro... Tem que se ter a natureza da liberdade... É preciso voar... Voar... Voar...

0 comentários:

Postar um comentário

Seguidores