O rio incessante



Eu, rio sempre a correr, incessante em minha busca, como astro sendo atraído pela grandeza do deus-sol. Vejo passar diante dos meus olhos pessoas que acenam dizendo que estão partindo ou dizendo que estão chegando.
Eu, rio que se precipita nas alturas e vira véu d’água. Rio que vira chuva. Que cai, que corre, que não para. Rio de minhas passagens... Ilusório rio passageiro. Incessante rio que corre por amor, que não vê a hora de encontrar seu mar, que não vê a hora de se misturar com aquela que lhe é maior.
Rio que às vezes pensa em ser lago: constante e calmo. Rio que às vezes deseja o cárcere de um poço. Rio que não cansa e que está sempre buscando. Vendo tudo passar acenando. Vendo os laços se soltarem e se amarrarem em repetitiva dança. Rio incessante. Que às vezes vira chuva e chora. Distante...

0 comentários:

Postar um comentário

Seguidores